Nós não podemos pensar que existe apenas uma realidade, a nossa. Nós precisamos olhar além do nosso convés e entender que nem todo barco tem a mesma quantidade de comida, tem o mesmo equipamento e estrutura.
E mesmo que o barco seja parecido, cada um absorve à tempestade de uma forma. A individualidade deve ser respeitada também. Para cada um o impacto da onda será recebido de uma forma.
Portanto, temos duas variantes: o barco e a forma que vemos/recebemos a tempestade.
Quando eu falo que para as famílias com filhos a coisa é mais pesada, é apenas uma generalização do humor. Claro que isso não é determinante.
Muito pior é passar a quarentena desempregado, sem ter onde morar e comer, sem suporte do governo.
Muito pior é passar a pandemia em uma favela sem condições básicas de higiene, ouvindo em todos os lugares que é necessário lavar as mãos por 20 segundos, mas não ter nem água encanada direito. Ouvir que se estiver resfriado precisa se isolar, mas mora em uma casa com apenas 1 cômodo, dividido com 5 pessoas.
Muito pior é ser obrigado a ir trabalhar pq não foi liberado do serviço ou não pode ficar sem receber o salário.
Muito pior é passar por tudo isso estando doente e precisando de apoio hospitalar, sem ter, sem leito, sem respirador, sem a família por perto.
Hoje venho aqui só pra agradecer e pedir aos necessitados. Pedir para que possamos olhar pro barco do lado e analisar como podemos ajudar. Mesmo que não seja diretamente, como vc pode tornar essa tempestade mais leve para os outros?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s